sexta-feira, março 01, 2013

Mensagem de esperança para 2013!

Isto já parece uma mensagem solene do Presidente da República, ou melhor, até do Sócrates, ex-primeiro-ministro, mas não, não é!;)
Trata-se de facto duma mensagem duma pessoa singular que gostaria que este ano fosse mais optimista em termos de valores humanos e não só... porém, com tantas dificuldades que as pessoas vão encontrando, quer ao nível da saúde, do amor, do trabalho, da paz em geral, eu própria tenho dificuldade em gerir o meu próprio estado de espírito e mantê-lo positivo, sem quaisquer dramas a aquiescerem-me a consciência.
Neste momento, estou desempregada e a estudar em horário pós-laboral. Viro-me para o lado do centro de emprego, nenhuma oferta de acordo com as minhas habilitações (Licenciada em Filosofia) surge; viro-me para as candidaturas espontâneas onde existem mais vagas é nos famigerados call-centers... Eu já estive em vários, mas o último deles foi a gota de água!
Disse a mim mesma como é que gente com tanto valor para o país pode dedicar tempo livre ao call-center? Isto é um reflexo dos tempos que correm, senhores! De facto, não seria assim se a sociedade não fosse orientada ao lucro. Não vamos ser hipócritas: todos nós precisamos de dinheiro para viver! Mas uns têm muuuuuuuito dinheiro e outros nem um tecto arranjam e vivem dos restos da comida dos outros. Isso não vos provoca angústia? A mim, provoca muita! Mas haja fé e esperança que mais dia menos dia, ano após ano, o optimismo há-de ser a nova Fé e a nova mentalidade para os tempos que correm serem, pelo menos, um pouco mais fáceis e mais felizes que a comunicação social neste momento apregoa...
Tenho dito!;)
Ana

sexta-feira, outubro 19, 2012

Tristeza...

Hoje acordei assim triste e desmotivada com a vida...:S
Acontece, dizem-me e acontece a todos. No entanto, quando nos toca a nós, parece que o mundo inteiro desaba, não é?
Felizmente, nada de grave aconteceu para que esses sentimentos e emoções eclodissem.
Mas sei lá, as vezes por qualquer razão que desconhecemos, o nosso coração desilude-se facilmente.:(
E é tão desolador quando isso acontece...
No entanto, há sempre volta a dar à situação e é sempre possível esperar por dias melhores.:)
Há que ter fé, por mais vezes que ela se abale...
Numa expressão muito conhecida: "O que não nos derruba, torna-nos mais fortes"!:)
Para os que hoje acordaram mais em baixo ou de mal com a vida, sorriam, porque dias melhores virão.
Beijinhos,
Ana     

quinta-feira, outubro 18, 2012

ACTUALIZAÇÃO

Só para actualizar:

Há muito que aqui não venho... mas hoje apeteceu-me postar algo que me vai no coração... áqueles que pensam que parei, desenganem-se, pois apesar de dar trabalho a manter blogs na internet, há vida para além desta!:D
Tenho vivido!:)
Tenho dito!:)
Cumprimentos a todos os meus leitores e seguidores.
Brevemente mais novidades!
Ana Oliveira

terça-feira, maio 29, 2012

Desejos para 2012/2013

Eu agora ando a passo de ano lectivo em ano lectivo.:) Daí só escrever agora os meus desejos para 2012/2013:
Ou:
Acabar/Continuar Mestrado de Ensino em Filosofia
Ou:
Ir dar aulas para Coruche ou outra zona do QZP Lezíria e Médio Tejo, que adorei.:)
Emagrecer, emagrecer, emagrecer: fui hoje ao C&A nenhuma roupa me serviu.:(((
Arranjar namorado.:D
Manter amizades e fazer outras...
Em suma: ser feliz!:)

quinta-feira, dezembro 22, 2011

O Pai Natal existe?

Olá a todos!
Em época de Natal, venho perguntar a vossa opinião mas também dar a minha.
Será que o Pai Natal existe?
Obviamente que para qualquer sujeito pensante o Pai Natal não existe de todo, acaba por ser um mito criado pelo Homem para fazer pensar às crianças que existe um senhor bonacheirão e de barba branca que vem dos Países Nórdicos para lhes trazer presentes deslumbrantes.
Mas isto para os adultos!
E para as crianças? Se pensarmos que todo o adulto tem uma criança dentro de si e retomarmos as nossas reminiscências infantis, poderemos pensar que sim: o Pai Natal existe e vem-nos trazer concretização de desejos, sonhos e fantasias de Natal. Ou será que preferem os chocolates de leite "Fantasia de Natal"?;)
No entanto, mesmo para as crianças de hoje há já uma consciência muito precoce de que o Pai Natal é uma invenção e, pior, uma invenção materialista! Invenção porque é de facto oriundo de lendas contadas pelo Homem e materialista, porque transformado de vermelho pela Coca-Cola e produto do consumismo ocidental/americano.
Sendo assim, será que existe mesmo Pai-Natal?!
Enraizados numa cultura judaico-cristã, até mesmo esta entra em colisão com os valores materiais deste novo Pai-Natal. Ao passo que a religião católica tem já um peso secular em cima de si, e com valores muito humanos, no que diz respeito à generosidade, Paz, Harmonia, Partilha, Adoração, etc., o Pai-Natal é uma personagem usada para transmitir valores imediatos, como aquisição de bens materiais, brinquedos que iluminam a mente criativa de qualquer criança. Será que iluminam mesmo a mente criativa? Eu diria que criam papagaios... daí o perigo do consumismo exacerbado e aquisição de cópias de brinquedos só porque uma criança tem, a outra quer ter e os pais têm que comprar. Será que têm mesmo?
Com o advento da nova recessão, assiste-se a um retorno dos valores humanos que ficaram em crise durante tanto tempo. Estão-se lentamente a reinstalar e as pessoas estão a poupar mais dinheiro.
O importante nesta quadra é estar-se junto e não comprar muito. A consoada é, porém, ainda obrigatória nos lares portugueses. Mas será que o Pai-Natal continuará a fazer sucesso daqui para a frente?
Ou iremos nós preferir transmitir o culto de Jesus ou mesmo de S. Francisco de Assis?
Ainda assim, Festas Felizes!
São os votos de Ana Oliveira!

sábado, outubro 08, 2011

Fusão!

Hoje é sobre nada
E é sobre tudo...
Hoje senti-me assim,
Angustiada...
E cheia de uma confusão sobretudo.
Meditei com todas as forças do meu ser
E consegui chegar a uma força superior.
A força dos laços que me prendem ao outro,
Maior! - Maior que Eu e o Outro!
Quem é? Perguntam vocês!
É nada mais nada menos que o Homem em toda a sua plenitude.
Buda chegou!

sexta-feira, outubro 07, 2011

Influências orientais da Filosofia - Budismo

Amigos: gostaria de escrever umas palavras singelas acerca do que me vai na alma, mas não consigo. Esta incapacidade de dizer, esta incapacidade de pôr na palavra escrita ou dizer por palavras as coisas que sinto cá dentro é algo de avassalador, angustiante mesmo.
Só quem sofre de uma depressão pode compreender esta angústia de ser. Ser-se assim tão frágil, efémero perante a vida, porque a vida é uma passagem e a morte o renascimento, mas, dizia eu, só quem sofre de depressão pode compreender a angústia de se ser. De se ter que ser todos os dias, desde que escovamos a dentes de manhã até que deitemos os miúdos à noite. A solidão e a angústia acompanham-nos sempre, fazem parte de nós e, não obstante, teimam em não nos largar! É curioso que quando tinha os meus cerca de 15 anos de idade (fase da adolescência, pois então) não tinha tantas preocupações como as que tenho hoje, mas sem dúvida, bem lá no fundo, elas mantêm-se iguais, tirando talvez o facto de que somos mais velhas uns anos.
Senão vejamos: aos 15, tínhamos borbulhas no rosto e vergonha de as mostrar; aos 30 temos as primeiras rugas e gastamos um dinheirão em cremes para as disfarçar! Aos 15, vivíamos obcecadas com a nossa própria imagem e com a nossa integração e aceitação nos grupos; hoje, tentamos ter uma imagem realista, chegamos à conclusão que engordámos e sentimo-nos excluídas dos grupos. Vamos para o Ginásio!
E pumba, pumba, toca a trabalhar os bíceps, os músculos e todas as articulações do nosso corpo humano.
Tudo isto estaria bem, se depois disto tudo não fôssemos a correr devorar o primeiro bife com batatas fritas que se vê no primeiro restaurante que encontramos. Ou tomamos banho a correr no ginásio e vamos para casa ver tv e a enrolarmo-nos numa manta a comer chocolates!
O que é angustiante afinal?! É este estar preso a um corpo, o nosso corpo não que Deus nos deu, mas a forma que escolhemos para vir ao mundo e com a velhice se transfigurou. O tempo não tem limites, a nossa forma é que não dura ilimitadamente! No entanto, se todos tratássemos a forma do nosso corpo como um templo a preservar, manteríamos não apenas as estruturas e os ornamentos, mas também o que de mais precioso há num templo.
Assim, o que de mais precioso há no templo do nosso corpo é a nossa Alma. Esta também tem que ser alimentada e preservada a todo o custo. Vindo do grego Anima, a alma que dá a vida ao corpo, deve ser volátil e ser capaz de se transmutar e transfigurar noutro ser... É por isso que nós passamos pelo tempo não é o tempo que passa por nós.
A dificuldade de falar ou em escrever está em que tudo o que diga respeito à alma é já de si uma traição. Ninguém escreve sobre a alma e fica satisfeito. Pelo contrário, se dermos experiências agradáveis aos nossos sentidos a Alma obtém um preenchimento único.
E a busca pelo Amor? Como vive a Alma sem Amor? Aí não tem outra solução senão procurar regozijar-se no grande Amor Espiritual e Universal de que somos Um só e estamos aqui para nos amarmos e não delimitarmos. O amor é Incondicional e por isso Libertador. A liberdade só se adquire à medida que homem descobre o poder e a potencialidade de se auto-transformar e livrar-se do mal. Só quando o homem passar por um caminho de ascese, contemplativo e meditativo é possível Amar Incondicionalmente quer o Universal, que por interdependência, o particular. A reflectir sobre Amor segundo Buda.